Vesuvius

Ana Mazzei

Vesuvius

Ana Mazzei

  • Período
  • 26.09 – 18.12.2020

  • Abertura
  • 26.09 — 12 horas

  • Facebook
  • Twitter
  • Compartilhe por E-mail
  • Compartilhe por WhatsApp

(clique aqui para acessar o Online Viewing Room)




A primeira tragédia e o fim.

 

As testemunhas do assustador espetáculo – cuja aspecto e forma nenhuma árvore representa melhor que o pinheiro – fizeram uma descrição impressionante e contaram também sobre o fim trágico do velho.

O velho arrebatado pela paixão – científica – pegou o trem para observar de perto o fenômeno assustador e morreu ao socorrer o amigo.

 

Sobre as chamas que se elevaram, formou-se rapidamente uma enorme e escura nuvem que ofuscou o sol.

Um diluvio de rochas e escórias incandescentes caiu sobre a cidade.

Desabaram muros e telhados e, depois, toda e qualquer forma de vida foi destruída por uma onda de água e cinzas.

Na escuridão, o cenário apocalíptico é alimentado por relâmpagos, terremotos e maremotos; os poucos sobreviventes que fugiram foram alcançados pelos gases venenosos que se propagaram por todo o lado.

Este inferno durou três dias e, depois, um silêncio absoluto.

 


O despertar após dezenove séculos.

 

Estão todos adormecidos; cidades estão sendo reconstruídas mais ou menos nos mesmos lugares de antes.

As pessoas temem terríveis feitiços. Ladrões e caçadores de tesouros vasculham tudo o que se encontra à vista e depois o lugar é esquecido e perdem-se todos os vestígios. Passam mil e seiscentos anos antes que se encontrem os primeiros objetos e outros cento e cinquenta para que se tenha a sensação de uma nova descoberta.

Uma antiga porta por onde, hoje em dia, se inicia o encontro indica o caminho, porém, antes de chegar à porta é bom notar a imponência da paisagem: à direita encontram-se as ricas casas da “insula occidentalis”, à esquerda as necrópoles e a íngreme rampa calçada que conduz aos dois arcos reservados aos animais e aos carros de puxar que traziam do mar sal e peixe.

Ao sul estupendas colunas e uma série de pinturas decorativas que se espalham por duas salas, um espetáculo inesquecível: olhando ao redor com máxima concentração assistimos à um ritual, interpretado para nós, por 29 atores numa cena contínua, solene, silenciosa, carregada de um mistério profundo. Lentamente, figuras, símbolos e objetos, parecem assumir vida numa nova dimensão, fora da realidade sensorial.

 


A casa do poeta trágico.

 

Um menino lê o ritual da iniciada.

A iniciadora observa e tem um “volumen” à esquerda.

A oferente dirige-se à administradora do sacrifício sagrado sendo ajudada pelas servas.

Cena doméstica –

Um jovem toca a lira extasiado pela visão divina.

Uma jovem toca uma flauta e um “sátiro” acalma um cervo.

A iniciada aterrorizada olha para trás ao ver a flagelação na parede oposta.

Um grupo bebe num jarro grande enquanto um outro mostra uma mascara com olhos esbugalhados.

É dia de núpcias, símbolo da felicidade extraterrena.

Uma iniciada em pé e outra de joelhos prosseguem para a revelação da “mística vannus”, isto é, estão para descobrir o “phallos”.

Divindade de asas roxas que voa sobre a iniciada que assustada refugia-se no seio da piedosa companheira.

A última prova: um banquete, as iniciadas dançam, felizes e livres.

Alegria dos humanos, quem desfaz todas as preocupações, traz o sono e o esquecimento da miséria cotidiana.

 

Fim.

  • Facebook
  • Twitter
  • Compartilhe por E-mail
  • Compartilhe por WhatsApp