Daniel de Paula

  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail
  • WhatsApp

Boston, EUA, 1987.

Vive e trabalha entre São Paulo, Brasil e Amsterdã, Holanda

 

As múltiplas proposições de Daniel de Paula intencionam refletir sobre a produção do espaço enquanto reprodução de dinâmicas de poder, revelando assim investigações críticas sobre as estruturas políticas, sociais, econômicas, históricas e burocráticas que moldam lugares e relações.  Através de uma postura que não se encarcera nos domínios da arte, sua prática e produção deixa-se intersectar por noções de geografia, geologia, arquitetura e urbanismo, evidenciando um interesse em compreender a complexa forma social escondida no interior da materialidade. Por meio de estratégias como negociações extensas com e entre órgãos públicos e privados, a apropriação, deslocamento e descontextualização de objetos cotidianos, além de interações com agentes constitutivos do espaço expositivo e seu entorno, seus trabalhos propõem ressignificações de sistemas espaciais rígidos e condicionados. Tais procedimentos acabam por sublinhar a indivisibilidade entre a fisicalidade de seus trabalhos e os contextos de onde surgem, reiterando a crítica aos vetores violentos sócio-políticos que inscrevem sentido às nossas vidas.


Exposições individuais recentes incluem and materiality becomes nothing but a mere representation of a structure of dominance, Lumen Travo Gallery, Amsterdã (2020), the control of things over subjects is the control of subjects over themselves, Galeria Francesca Minini, Milão (2019), a forma condutora de fluxos dominantes, Galeria Jaqueline Martins, São Paulo (2017); testemunho, Galeria Leme, São Paulo (2015) e objetos de mobilidade, ações de permanência, White Cube Gallery, São Paulo (2014).


Suas obras também foram inclusas em mostras institucionais recentes como Brasile. Il coltello nella carne, Padiglione d’Arte Contemporanea, Milão, Itália (2018), Matriz do Tempo Real, MAC, São Paulo (2018); Avenida Paulista, MASP, São Paulo (2017); Metrópole: Experiência Paulistana, Estação Pinacoteca, São Paulo (2017); ARTE PARA TODOS! Liberação e Consumo, Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto (2016), Nós entre os Extremos, Tomie Ohtake, São Paulo (2015); Da próxima vez eu fazia tudo diferente, PIVÔ, São Paulo (2012).  

  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail
  • WhatsApp